segunda-feira, junho 17, 2013

Blur


Decorria o ano de 1994, quando "The Great Escape" saiu pela altura do natal. A mana ofereceu. Acho que o livrinho com os lyrics foi o mais lido e é o que está mais amassado de todos os CDs que tive.

E claro com isto veio a paixão pelo Damon Albarn, eu achava-o super giro e fofinho e ainda por cima ele tinha um brinco na orelha esquerda... uau. Ai, ai é tão bom ter 12 anos, não é?

Os anos passaram e acabei por nunca os ver ao vivo. No natal do ano passado recebi outra prenda fantástica: um bilhete para ir ver os Blur ao vivo no Primavera Sound no Porto, dia 31 de maio de 2013. Woooooooooooow.

E lá fui eu e a Délinha (a aturar-me), tenho a dizer que o festival em si tem um espaço fantástico, mesmo muito espaço e sítios para sentar, puffs, baloiços e até deu para riscar coisas da lista dos nuncas como:

- Eu nunca tinha recebido uma massagem nos pés com umas all star calçadas de um irlandês (*).

E à 1h30 da manhã os rapazes subiram ao palco, e foi: AWESOMEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE. Diverti-me imenso, só não conhecia uma música das que tocaram, deu para ouvir o Damon a cantar "I need love, love, love" e "I sleep alone", deu para agitar o braço no ar a dizer "estou aqui, eu, eu" (mas não compreendo porquê ele não me ouviu) deu para pular, cantar e dizer até já (conto sinceramente que com a crise cá voltem para fazer dinheiro).

Quando chegou "The Universal", para mim foi "o momento", só foi mesmo pena a máquina ter ficado sem bateria a meio da música, humf.

E foi mais outro concerto a entrar para o top 10 :D

 --

(*) Não que tal item constasse na lista, mas foi engraçado na mesma.