terça-feira, outubro 06, 2009

Viagem à Galiza

Fim-de-semana prolongado, altura de pegar no meu guia preferido (um de Espanha, motivo de um post para outro dia) e de um que tinha comprado de Santiago de Compostela há uns anos e marcar finalmente uns dias na capital da Galiza.

E o que tenho a dizer? Na ida para lá depois de entrármos em Espanha o GPS mandou nos sair da AE e foi das melhores coisas que podia ter acontecido: a paisagem pela nacional é fantástica, os braços de mar que se formam ao longo da costa são espectaculares.

No entanto, parece que o tempo na Galiza é o seguinte:

- Primavera: chuva
- Verão: chuva
- Outono: chuva
- Inverno: chuva

E o que é que nós apanhámos? Chuva, chuva e mais chuva. Fez-me lembrar a viagem a Paris há uns anos onde durante 5 dias só vi o sol uma vez e foi ao fim do dia, depois de chegar ao hotel, claro!

Uma das melhores coisas da viagem foram sem dúvida as pessoas: impressão minha ou os galegos são dos povos espanhóis mais simpáticos e atenciosos? (Para os mais cépticos é verdade: eles existem).

Quase nem deu para tirar fotos mas ainda ficaram algumas:

- A Catedral barroca em Santigo, ao lado pode ver-se um grupo de ciclistas, andei à procura de um ciclista conhecido mas ele deve lá ter chegado a uma hora diferente (não foi Diogo?)


- Um cenário muito pouco comum dentro de uma igreja "normal": hora da missa do peregrino.


- Upps não se podia tirar fotos lá dentro (foi sem flash) depois de km e km de caminhada admiro a coragem daquelas pessoas a ver a missa de pé, (e depois os outros que ainda ficaram na fila durante não sei quanto tempo para irem abraçar o santo ou lá o que era).


- Pena estarem a tapar a placa, mas dá para perceber a ideia...


- Tudo de guarda-chuva e o mau tempo como cenário:


- A única foto onde apareço (que vergonha não tirava tão poucas fotos desde que usava rolo nas máquinas):


- Estas "escaditas" dão vontade de subir, pena estar a chover:


- Um das coisas que mais se vê na Galiza é a joalharia feita com prata e azeviche (carvão compacto usado também conhecido por Âmbar Negro), realmente na Vogue Espanhola cada vez que há um secção de colecções de roupa preta diz sempre "Negro Azeviche", mas nunca me tinha dado ao trabalho de saber o que era. Assim, resultam coisas fantásticas e para o bem da carteira ainda bem que não fui lá durante os tempos em que era gótica.


- Na viagem de regresso decidimos ir até Vigo, a maior cidade da Galiza, novamente mais chuva, mas desta vez com direito a trovões e relâmpagos. Como sou teimosa e não me contentava em ficar pelo El Corte Inglès decidi ir até à baixa (durante a tempestade). Resultado: sapatilhas e calças completamente ensopadas!


- Os senhores bem puxam o trânsito mas não conseguem:


Depois da molha, houve uma desculpa fantástica para "ter" de comprar uns sapatos novos (já que não tinha levado mais nenhuns) e pelo meio vi umas doc martens fucshia (o que me fez relembrar que tenho de ir ver das minhas para as voltar a usar).

Para sair de Vigo foi o caos: pagámos o bilhete de estacionamento às 17h25 e eram exactamente 19h25 quando conseguimos finalmente colocar as rodas do carro na rua: o trânsito estava tão mau que foi subindo pelos vários pisos de estacionamento ("el trânsito está fatal" disse o segurança quando entreguei o bilhete pago 2h antes).

Pelo caminho de regresso mais mau tempo (pelo menos nesta altura já tinha os pés dentro de uns sapatos secos) e posto isto acho que não vou à Galiza tão depressa :(

2 comentários:

Diogo disse...

Eu cheguei no dia anterior a essa foto ter sido tirada. Tb fui passear nesse dia à Catedral e vi esse monte de ciclistas.

disse...

Ora isso é que é vida... Tb keria! Snif snif...

Boa semana linda!